ECOSOL EM PORTUGAL

Entre os dias 10 a 12 de Julho, ocorreu em Coimbra/Portugal o Colóquio Internacional Alice.

No âmbito do projeto ALICE – Espelhos Estranhos, Lições Imprevistas: Definindo para a Europa um novo modo de partilhar as experiências do mundo, este colóquio lança um desafio aos seus participantes: se a compreensão do mundo é muito mais ampla que a compreensão ocidental do mundo, as possibilidades de emancipação social podem ser distintas das que foram legitimadas pelo cânone ocidental.

Conheça mais pelo site.

A bolsista Jéssica Wallauer participou do evento apresentando na modalidade poster o trabalho intitulado “A economia solidária no combate emancipatório à pobreza no Brasil: o desafio da intersetorialidade” sob orientação da professora Adriane Ferrarini.

Segue um pequeno relato da bolsista Jéssica sobre os dias em que esteve no Colóquio.

“Estar no Colóquio Alice é uma experiência única. O sentimento que paira no ar é de solidariedade, amizade, paz, amor. O Colóquio inicia com uma fascinante e inspiradora explanação sobre a situação global atual e as epistemologias do sul, pelo tão admirável Professor Boaventura de Sousa Santos. Ele fala da importância de reconhecer que todos os conhecimentos são válidos. Essa fala é persistente durante o congresso e as demais palestras. Tão importante quanto os conhecimentos científicos, são os que estão além desses – como Boaventura fala -, o conhecimento acadêmico é proveniente dos vencedores, mas é necessário saber também do conhecimento dos vencidos. Durante os três dias de congresso, sentimos a inquietação de todas as pessoas presentes a respeito do que se passa na vida e no mundo. Isso é evidente pelo simples fato de estar ali presente. Nas palestras, além da fala insistente da necessidade de um mundo melhor no qual os seres humanos e a natureza vivam em maior harmonia e com mais respeito, há um intenso otimismo, principalmente por parte do admirável Paul Singer, o qual foi merecidamente homenageado no congresso, emocionando a todos com suas belas palavras de agradecimento e otimismo. Singer fez uma excelente observação, dizendo que se fosse necessário utilizar um novo nome para Economia Solidária, chamaria de: Economia Comunitária, pois a relação entre as pessoas é de extrema importância para que se obtenha um mundo melhor. Resumo o Colóquio como uma travessia de limites, um espaço onde transborda conhecimento e troca de experiências, mostrando-nos o mundo de sua forma diversa e imensa, porém alcançável. Se fosse necessário utilizar apenas uma palavra pra descrever a experiência no congresso e o que trouxe comigo dele, seria: ESPERANÇA. Um mundo melhor é possível, e não estamos sozinhos lutando por isso! “Um mundo onde caibam tantos outros mundos.” (Boaventura de Sousa Santos).”